MÍDIAS

 
Careca nunca mais!

Careca nunca mais!

Pode ser que os carecas continuem com alta preferência entre o público feminino, como já anunciava a antiga marchinha de carnaval. No entanto, qualquer um pode imaginar o sorriso de alegria de um homem quando vê, após cinco, 10, 20 anos de calvície, seus cabelos nascerem de novo.

Segundo dados da Associação Internacional de Tricologia, 50% dos homens brasileiros são calvos. As estatísticas são confirmadas com estudos da Sociedade Brasileira de Tricologia, que indicam que um a cada dois brasileiros sofre de calvície e uma a cada quatro mulheres brasileiras se aflige pela intensa queda capilar. As pesquisas não incluem pacientes que se submetem à quimioterapia, com perdas de cabelos durante o tratamento, os quais voltam a nascer tempos depois. Implantes, próteses capilares, medicamentos e loções têm amenizado um pouco este problema, embora não solucione a queda em si, o que continua bastante frustrante para quem a tem.

Queda persistente
Foi o que aconteceu com o médico ortopedista Ronaldo Aragão, 38. Há dois anos ele havia realizado o segundo implante capilar. Satisfeito, a princípio, com o resultado da técnica ultramoderna, com pouco tempo percebeu que as quedas iniciadas quando tinha 24 anos, não haviam cessado. Foi quando um de seus clientes indicou um tratamento com uma terapeuta capilar que tinha obtido resultados visíveis em poucos meses.

Aragão conta que "o resultado do implante ficou bom e melhorou o aspecto geral da cabeça, principalmente na parte frontal onde os implantes foram colocados. Mas os cabelos continuavam a cair e a calvície foi descendo". A calvície "descer", segundo os especialistas, tem a ver com a chamada "careca de padre", com quedas capilares que são visíveis em um círculo no alto da cabeça, se estendendo para a testa e, depois, região lateral próximo às têmporas.

Outro aspecto observado se refere à estrutura dos fios que nascem após o implante. Como são implantados bulbos capilares da parte posterior da cabeça, os cabelos ficam com aspectos distintos e mais grossos, dando a impressão um pouco artificial.

Mais cedo
Muitas pessoas enfrentam a calvície e cada vez mais cedo. O estresse tem sido o principal responsável, atesta a terapeuta capilar Antônia Carolino Mesquita (também conhecida como Sônia). As mulheres estão buscando ajuda médica na tentativa de recuperarem o que rotulam como "moldura" do rosto. Os jovens também começam a se afligir cedo com a calvície causada pelo estresse ou problemas hormonais.

Apesar dos seus 25 anos de experiência com cuidados com os cabelos, Sônia Mesquita, explica que a profissão de terapeuta capilar é bastante recente, não existindo ainda uma formação acadêmica para exercê-la no Brasil (o especialista em cabelo, denominado de tricologista, deve ter formação em Medicina), apenas cursos. "Fiz muitos cursos e continuo fazendo, porque estou aberta às novidades de métodos e produtos. A formação superior de terapeuta capilar só existe nas universidades de Cosmetologia dos Estados Unidos, Japão e Chile", diz.

A especialista decidiu desenvolver seu próprio método e que tem apresentado resultados promissores. Por trabalhar muito tempo com cabelos e design (pigmentação orgânica) de sobrancelhas, Sônia teve um insight durante uma sessão de terapia natural (Reiki). A partir da observação do processo de crescimento dos pêlos das sobrancelhas, solicitou ao fabricante do aparelho de micropigmentação que elaborasse outro para estimular mais profundamente (pulsão) em uma área ampla do couro cabeludo. Com o aparelho em mãos, o primeiro teste foi feito em seu pai, Raimundo Tomás, 70. Ele conta que aprendeu muito com a filha e que até hoje capricha na higiene. Lava a cabeça duas vezes por dia, nem que seja com sabonete! E complementa com loção natural também elaborada por Sônia. Desde então, não teve mais quedas capilares acentuadas.

Estimular a circulação
O cabeleireiro Roberto Lima de Freitas, 40, teve que se submeter a várias cirurgias e, em decorrência das anestesias, se viu com um problema delicado: a intensa queda capilar. Passou vários meses tendo a alopecia pós-cirúrgica tratada a base de medicamentos. Como seu problema persistiu, resolveu procurar a terapeuta capilar.

Em dois meses de tratamento começou a observar resultados. "A técnica higieniza e estimula o couro cabeludo, com uma loção para retirar os resíduos e um shampo natural para fortalecer os fios, cujo uso deve ser diário. Isso faz sentido, porque quando fazemos atividade física, estimulamos a circulação sanguínea e a musculatura. Sem atividade e estímulo, ficamos flácidos", argumenta.

Escovas
Sônia Mesquita indica a todos que iniciam o tratamento, uma escovinha para ser usada no banho (as mulheres devem utilizar um pente fino) e uma escova com cerdas duras para pentear (sem bolinhas nas pontas, que ajudam a empurrar bactérias para o interior dos folículos).

O positivo deste tratamento é o aprendizado de como cuidar dos cabelos e couro cabeludo. A especialista ensina todos a fazerem uma boa e correta higiene e também a estimulação diária. "As pessoas, quando estão tendo quedas capilares, tanto lavam menos a cabeça como escovam e penteiam pouco seus cabelos com receio de que a queda aumente. Isso só faz piorar ainda mais a situação. Pois quanto menos estimulada a região, maior é a queda", afirma.

A terapeuta capilar indica uma espécie de esfoliação, passando um pente fino todos os dias. O tratamento capilar também é indicado para pacientes que perderam cabelos em decorrência de quimioterapia. "Os cabelos voltam rápido a nascer e tornam-se mais fortes. Esfregar o couro cabeludo, coçar, mexer, friccionar, pentear os cabelos da raiz às pontas em várias direções é essencial", conclui.

CONDUTAS CORRETAS
Evite dietas da moda que possam criar a deficiência de nutrientes essenciais;
Lave o cabelo e o couro cabeludo todos os dias;
Em cabelos longos, passe condicionador da metade para as pontas, nunca no couro cabeludo ou próximo dele;
Evite lavar com água quente, pois dilata os poros e ajuda a gordura a penetrar no couro cabeludo;
Enquanto estiverem molhados, não escovar ou pentear os cabelos com força;
Para secá-los, evite esfregar a toalha de banho, apenas comprima de forma suave, para tirar o excesso de água. Deixe secar naturalmente;
Evite substâncias químicas agressivas, como o cloro das piscinas. E quando isso ocorrer, lave bem para retirar os resíduos;
Use chapéus para proteger os cabelos e couro cabeludo do sol;
Massageie o couro cabeludo, para melhorar a circulação sanguínea.

CABELO
42 milhões de brasileiros são carecas, segundo dados da Sociedade Brasileira de Tricologia. 90 a 100 mil é o número médio de fios de cabelo existentes na cabeça de um adulto comum, com uma cabeleira razoável.

ROSE MARY BEZERRA
REDATORA

Fonte:  Fonte: Jornal Diário do Nordeste
 
VOLTAR